Secretário de Educação do Rio se omite de responsabilidade sobre ‘Cavalo tarado’ nas escolas

Facebook
Twitter
WhatsApp

Por Patrick Guimarães

Além das apresentações em total desacordo com os espaços onde foram realizadas – as escolas – também gerou certa estranheza o fato de o prefeito Eduardo Paes não ter sequer citado o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, em seu discurso indignado sobre o vídeo da performance com a música “Cavalo ficou tarado”, no Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) Luiz Carlos Prestes, na Cidade de Deus. Sem responsabilizar ou cobrar explicações do titular da pasta, o prefeito deixou a “bomba explodir” mesmo nas mãos dos diretores das unidades de educação infantil envolvidas na polêmica.

O caso surgiu na última segunda-feira (28/08). Em vídeo, Eduardo Paes se mostrou indignado e classificou as cenas como “absurdas e inapropriadas para o ambiente escolar”.

Nesse ponto o prefeito acertou. Foi rápido e preciso ao se posicionar. Contudo, esqueceu (ou não) de responsabilizar o secretário e sua equipe de assessores especiais e coordenadores, que apesar de ganharem altos salários, de mais de R$ 20 mil, parece não haver cobrança à altura dessas remunerações.

Seguindo a retórica de Eduardo Paes, que sequer citou o nome do secretário Renan Ferreirinha, nesta quarta-feira (30/08), a secretaria municipal de Educação do Rio (SME) disse em nota enviada aos veículos de imprensa que “decidiu afastar os diretores de quatro escolas da rede, onde ocorreram apresentações polêmicas e de conotação sexual de um grupo de dança”.

Informações indicam que a Cia Suave, responsável pelas apresentações, integraram parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e tiveram o fomento da Prefeitura do Rio.

A prefeitura confirmou e disse que o grupo foi selecionado por uma comissão independente, em edital público, no ano passado. Aparentemente, não teve nenhum zelo sobre o que seria apresentado às crianças nas escolas.

Secretário não se pronunciou

Apesar da gravidade e repercussão sobre o assunto, o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, não expôs nenhum posicionamento sobre o assunto. Se limitou a repostar em suas redes sociais o vídeo do prefeito Eduardo Paes furioso com o ocorrido.

No corpo da mensagem, Ferreirinha jogou toda a responsabilidade para os artistas e escreveu:

“O tal grupo artístico independente, que mentiu pra (sic) escola sobre a indicação de classificação livre, está proibido na educação carioca e já abrimos uma sindicância”, Renan Ferreirinha, secretário municipal de Educação do Rio.

Entretanto, é difícil compreender como a secretaria de Educação de uma das principais cidades do país não teria o controle sobre os conteúdos apresentados aos alunos nas unidades educacionais. Vale ainda ressaltar que o grupo passou pelas regras de um edital público, documento que, no mínimo, tem a questão da classificação etária entre as exigências, principalmente neste caso, onde figuram crianças e adolescentes.

Post do secretário de Educação com Eduardo Paes indignado — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Questionamentos feitos à SME

Por e-mail, a equipe de reportagem do jornal RIO PRESS questionou a secretaria de Educação e quis saber:

1 – Por que nenhuma equipe avaliou o conteúdo da apresentação?

2 – O que é feito pela SME para evitar esse tipo de situação?

3 – Qual equipe da SME responde por esse cuidado sobre a avaliação dos conteúdos expostos aos alunos? Censura, faixa etária, etc.

4 – Na avaliação do secretário Renan Ferreirinha, somente os(as) diretores(as) das escolas envolvidas serão responsabilizados(as)? Assessores especiais e coordenadores com altos salários não responderão?

5 – Por que o secretário não se manifestou publicamente, se limitando apenas a afirmar que “o grupo artístico mentiu sobre a classificação etária”, e publicando apenas o vídeo do prefeito em suas redes sociais? Não houve um erro interno na secretaria?

Até o fechamento da edição da matéria, o secretário Renan Ferreirinha não havia se manifestado. Também foi feito contato com o assessor especial da pasta João Pires, mas também não houve retorno. O espaço está aberto e o texto será atualizado caso haja algum posicionamento.

Relembrando o caso

Na gravação polêmica, integrantes da Cia Suave dançam a música intitulada “Cavalo ficou tarado”. Na plateia, a maioria crianças e alguns adolescentes.

Com uma máscara de cavalo, ao fundo o som alto, uma mulher cavalga sobre um homem no pátio do Ciep. A letra continha trechos como “olha os cavalos no cio”, “vem mulher, vem galopando que o cavalo tá chamando”, “cavalo taradão”, “cavalo ficou danado, galopa de frente, galopa de lado”, “ela toma, ela vai pra frente, ela vai pra trás”, “depois senta e rebola”.

Além do CIEP Luiz Carlos Prestes, na Cidade de Deus, onde foi gravado o vídeo que viralizou, diretores de outras três escolas também foram afastados pela mesma apresentação, o que indica um provável erro sistêmico em relação ao controle dos conteúdos que vão para os alunos das escolas municipais do Rio.

Curiosamente, enquanto o habilidoso prefeito Eduardo Paes tem seguido o protocolo combativo sobre um tema que não poderia, de forma alguma, passar despercebido, o secretário Renan Ferreirinha age como se nem fosse com ele, nem com sua equipe de “notáveis”.

Facebook
Twitter
WhatsApp

Leia Mais